Wednesday, December 28, 2005

Momento Fotolog

Não resisti e resolvi mostrar aqui uma das lojinhas mais lindas que vi nos últimos tempos. Não consigo me lembrar, acho que fica na rue Montmartre... em todo caso, é no metrô Richelieu-Drouot.
A balança e a conta bancária me seguraram pelo cachecol, e eu não entrei. Mas foi quase.

Saturday, December 24, 2005

Thursday, December 22, 2005

Assim, por acaso?

Pegue o livro mais próximo de você.
Abra o livro na página 23.
Ache a quinta frase.
Poste o texto em seu blog junto com estas instruções.

"São os homens do Madeira em debandada?"

João Ubaldo Ribeiro, Viva o Povo Brasileiro, editora Nova Fronteira

Friday, November 25, 2005

Momento Contigo

Bom dia, meu nome é Carol e estou viciada em novela. Mais precisamente, em Belissima.

Eu espero com impaciência a hora em que a Globo Media Center atualiza os videos da véspera. Pra assistir tu-di-nho, sem comerciais, na hora que eu quiser!

Tenho meus palpites sobre quem matou Valdete, vibro com as maldades da Bia, adoro as palhaçadas do Pascoal, de preferência de camisa aberta que sou comprometida mas não tô morta, hohohoho. E não são so as tramas principais que prendem. Alguns personagens de menos destaque (por enquanto), como a hilaria e cascavélica Mary Montilla e o seboso Narciso merecem atenção especial.

E devo ser a unica a torcer pelo Cemil, ele não tem que ficar com a chata e sem sal da Julia (a Gloria Soucoupe esta canastrona demais, mas o papel não ajuda, coitada), mas com a lindissima e maravilhosa Mônica/Camila Pitanga. No matter what he says, ela é muito, mas MUITO mais poderosa, absoluta e necessaria do que aquela cegonha da Angelina Jolie.

Mas apesar de viciada, sou lucida. Alguém por favor me diga:

- quem cortou o cabelo do Alex Borges no estilo "camponês idade média"?
- como é que a Claudia Breu consegue ser assim tão sem sal em todos os papéis que ela fez desde "Que Rei Sou Eu"?
- porque aqueles paulistanos chiam daquele jeito?
- aquela Grécia tem que ser tããão estereotipada assim?
- JAMANTA???? Fala sério! quer "ressucitar" um personagem, ok, mas esse??? não tinha pior não?
- alias, porque é que o Jamanta mora com o Pascoal?

Se tem cura, eu nem quero. Assistir novela é um barato, de preferência criticando tudo com alguém tão viperino quanto eu. Estou amando.

(vão desculpando a falta de acentos, mas o laptop aqui de casa é francês e não os aceita e não da pra usar os codigos ASCII porque laptop não tem teclado numérico. Se alguém ai conhece outro jeito que não seja copy-paste do Word, eu agradeço.)

Thursday, November 24, 2005

Bruce Banner, hold on!

Eu estou com a maior vontade de escrever um post-desabafo aqui. Envolvendo construtoras portuguesas, e a confirmação, hoje, de que eu não joguei pedra na cruz não. Joguei mesmo foi o Grand Canyon.

Mas não vou. A crente de trança que é o meu superego está esgotando suas forças para segurar a harpia high on Red Bull que é o meu id, mas já mandou avisar que daqui a pouco não se responsabiliza.

Mas tudo bem. Como diria meu sábio primo Pickle: "Podia ser pior. Podia estar chovendo."

Aliás, pensamento paralelo: como vários personagens de ficção, o Hulk pode facilmente ser reduzido à mais simplista simbologia psicanalítica. Assim como o Super-Homem é o herói fálico por excelência, voador, indestrutível e cheio dos poderes, o Hulk é o id liberado do superego, assim como o Mr. Hyde. Um concentrado de pulsões sem nenhuma censura. Eu avisei, aqueles dois anos de psicologia não caíram bem...

Tuesday, November 22, 2005

Confetes, serpentinas e línguas-de-sogra

Final de ano. O departamento da Megalítica Multinacional no qual trabalho teve um balanço positivo. Conseguimos novos clientes, os antigos estão satisfeitos, a qualidade das traduções e os prazos estão melhores, o euro caiu, a vida é bela. Por isso, merecemos um dia de Celebração.

Pra começar, não celebramos no escritório. O que pra mim é perda, já que aqui eu tenho internet banda extra larga para ler meus blogs favoritos, ou reverenciar o Mestre quando ninguém está olhando. Vai ser numa sala de conferências, em um hotel da periferia parisiense. Quem sabe não queimam um carro para me distrair do tédio alucinante de uma manhã de Powerpoint e gráficos?

Depois do almoço, patinação no gelo!! sim, meus amigos, amanhã, a essa hora, estarei caindo de bunda no chão numa pista de patinação municipal, da MINHA CIDADE, entre milhares de pirralhos, já que criança francesa não tem aula na quarta-feira. E esta que vos fala nunca patinou na vida.

Tudo bem. No começo do ano, passei um dia num castelo gelado, com os tais gráficos e apresentações Powerpoint, e depois assisti a... um número de mágica. Durante o qual o mágico apresentava a história da magia em... Powerpoint.

Na minha opinião, esse é um dos grandes problemas de multinacionais americanas na Europa. Querem aplicar o american managing way of life a europeus (e brasileira) que acham tudo isso extremamente infantil. Sabem o que eu acho que seria um grande sucesso? um vale-presente da FNAC de 50 €, e a tarde livre. Ou um campeonato de futebol de sabão!

Saturday, November 12, 2005

Desabafo

Vocês ai ja passaram por alguma situação em que os sentimentos eram tantos, mas tantos, e tão intensos que nada que vocês dissessem chegaria a dar uma idéia do que era... e que so conseguem citando Shakespeare, Rimbaud, Dumas, Baudelaire, Chateaubriand, Apollinaire ou Ronsard? or is it just me?

Thursday, November 10, 2005

Sarko, Sarko, tu me fais du mal

Depois vão me dizer que eu estou de má vontade...

Quando o ministro do Interior, dois anos depois de se declarar contrário à "double peine" (expulsão de estrangeiros condenados por algum delito), pede para que os estrangeiros que foram presos durante as agitações nos subúrbios sejam expulsos, eu já acho incoerente. Até aí, tudo bem, afinal, quem sou eu pra entender de política e de coerência?
Mas depois a figura vem declarar: "quando se tem a honra de ter um visto de estadia, não é para ser preso por violência urbana".
Bah. Pensava que a França era Liberté, Egalité, Fraternité. Que a declaração dos direitos humanos tinha nascido aqui, aquela que diz que todos os homens nascem livres e iguais. Que a lei era a mesma para todos.
Também pensava que o estrangeiro que mora numa cité esquecida pelo governo, desempregado, sem perspectivas e ainda por cima discriminado por ser árabe ou negro e "alien" tinha tanto direito quanto um francês de estar meio chateado com a situação. Mas deve ser porque eu quero puxar a brasa para a minha sardinha.
Estou meio revoltada, mas honra é o c******.
E o cara ainda tem o apoio da população francesa. Isso sim desanima.

Wednesday, November 09, 2005

Not even small favors

Fiquei sabendo aqui que a série "Les Rois Maudits", que começou antes de ontem na France 2, está disponível na Net em streaming. "Viva!!", pensei eu. Minha TV ainda está retida como refém pelo técnico que a consertou, ainda assim vou poder assistir! ... aí li o artigo inteiro.

Estão disponíveis sim, a módicos 3 euros. Para assistir, não para baixar o episódio. 3 euros para assistir um programa que passa de graça na TV, e em qualidade beeeeeeem inferior, sem contar que se o servidor cair, babaus? Aiai, alegria de pobre dura pouco...

Friday, November 04, 2005

Culinária

Saco. Estou que não agüento mais essa culinária daqui, principalmente de manhã. Todo café da manhã com clientes ou associados é cheio de croissants, pains au chocolat, brioches com passas... nada contra, mas imagine só: você acaba quase de acordar e o seu estômago tem de encarar uma guloseima composta de 60% de manteiga e 40% de farinha e açúcar, cuja preparação envolveu virar a massa 1/4 de volta no sentido horário, dobrar, estender, virar mais 1/4, dobrar, estender, e assim umas 5 vezes?? PelamordeDeus, isso não é humano! eu só conseguiria processar tanta informação no final da tarde, quando estivesse plenamente desperta. Mais ou menos o equivalente, para seu estômago, de ser acordada pelo caçula da sua tia entrando no quarto com uma ambulância de brinquedo, daquelas que piscam luzes, urram e batem nas paredes.

Eu quero tapioca, cuscuz de Milharina e farinha de milho flocada no café com leite. Muito pão de queijo de polvilho azedo. E pamonha doce com queijo de Minas.

Saco.

Tuesday, November 01, 2005

Gloom

PEDAÇO DE MIM

Oh, pedaço de mim

Oh, metade afastada de mim
Leva o teu olhar
Que a saudade é o pior tormento
É pior do que o esquecimento
É pior do que se entrevar
Oh, pedaço de mim
Oh, metade exilada de mim
Leva os teus sinais
Que a saudade dói como um barco
Que aos poucos descreve um arco
E evita atracar no cais
Oh, pedaço de mim
Oh, metade arrancada de mim
Leva o vulto teu
Que a saudade é o revés de um parto
A saudade é arrumar o quarto
Do filho que já morreu
Oh, pedaço de mim
Oh, metade amputada de mim
Leva o que há de ti
Que a saudade dói latejada
É assim como uma fisgada
No membro que já perdi
Oh, pedaço de mim
Oh, metade adorada de mim
Lava os olhos meus
Que a saudade é o pior castigo
E eu não quero levar comigo
A mortalha do amor
Adeus



Stormy Weather

Don’t know why there’s no sun up in the sky
Stormy weather
Since my man and I ain’t together
Keeps rainin’ all the time
Life is bare, gloom and mis’ry everywhere
Stormy weather
Just can’t get my poor self together
I’m weary all the time
So weary all the time
When he went away the blues walked in and met me
If he stays away old rockin’ chair will get me
All I do is pray the Lord above will let me walk in the sun once more
Can’t go on, ev’ry thing I had is gone
Stormy weather
Since my man and I ain’t together
Keeps rainin’ all the time

Wednesday, October 26, 2005

Do jeito que ele trabalha, é capaz de nunca ficar sabendo que eu pus aqui. Um mail que meu pai mandou, varios meses atras, às duas filhas, e uma mensagem de amor das mais bonitas que ja vi. A mana ja tinha postado, agora é minha vez. Porque é bonito demais. Ele sabe escrever, eu não, por isso prefiro que ele poste por mim.

Mas ainda digo que isso não é coisa que se faça com uma canceriana...

O que está faltando

De repente, sei lá porque, fiquei com a pulga atrás da orelha.Danei a prestar atenção na casa e vi que quartos, camas e guarda-roupas, abat-jours (é assim?) e outros chiliques mobiliários estão providenciados com bom gosto e carinho por Maria Regina para abrigar as filhas, ela e eu da melhor maneira possível. Lá fora tem churrasqueira a bafo (imported from Brazil, please!) - para gáudio (gosto dessa burguesa palavra...) - de meninas que não dispensam uma ostrinha, caranguejo, verduras (e a abobrinha e tomateassado com parmesão e azeite, heim, heim?) e perna de carneiro na brasa, um jardim gostoso de se ver com muitas flores bonitas, maracujá, limoeiro e um caramanchão cheio de flores violetas e vermelhas.

Muito pássaro no quintal e barulho das ondas do mar quase pertim... Nos quartos as estantes têm bons livros, aqueles que marcaram o crescimento das filhas ou nosso por aquilo que chamam vida afora e muitos outros que estamos guardando para surpreender certas devoradoras de títulos. Lidos ou não estão sempre prontos para uma conferida em cima da hora e servir de testemunho ou base para outro dia, outros julgamentos, outras idéias.

Tem disco dos Saltimbancos, Secos e Molhados, Queen, Chico Buarque, Beatles, Rolling Stones, Domenico Modugno, Lucio Dalla, Claude François, George Brassens, Zucchero, Geraldo Vandré, Milton Nascimento e Inezita Barroso. Os álbuns de fotografias, apesar da ciclônica e devastadora passagem da possessividade adolescente de certas umas que conheço ainda guardam recordações de outros tempos e continentes, apesar das principais peças estarem repartidas – e espero não perdidas - entre Brasília e Paris. Fica o registro e a responsabilidade da guarda.

Tem fotografias e lembranças de sobrinhos, sobrinha (- Eu num sô a bûcha não!!!!) , irmãos, cunhadas e amigos que ocupam paredes - recordações de excelentes períodos. Movimento estudantil, acampamento, truco,chácara, Água Mineral, UnB, Goiás Velho, Itaberaí, Candangolândia, os temas e o tempo passam alí, ó, quando vou subindo e descendo a escada. Ou a vida. Tem filme e fotografia de muito tempo, dos avós, pais, tios, filhas, sobrinha, sobrinhos, amigos, do Goiás, do Ceará e do mundo.Tem tudo, só falta o principal.

Bjs.

Sua páia.

Friday, October 21, 2005

These magical moments

Cenário : escritório, de manhã. Figurantes : colegas de trabalho

Carol : nossa, que dor de garganta chata, não passa...
Roommate naturopata : ainda não passou ?
Carol : não, está com jeito de que vai virar gripe.
Roommate naturopata : só tem uma solução pra isso...
Carol (blasée) : sei, gargarejo de vinagre com sal, chazinho de limão, própolis...
Roommate naturopata : não. Dois dias de jejum e um purgante.
Carol : (...)
Roommate naturopata : E...
Carol (interrompe) : É ruim, hein ?????

Tuesday, October 18, 2005

Roubei do blog da Cyn, e como sou viciada em ler, resolvi copiar.

1.Não podendo sair do Fahrenheit 451, que livro quererias ser?
(Sem sair do formato papel, que livro você gostaria de ser ?)

Queria ser o Conde de Monte-Cristo, sem sombra de dúvida! Uma história de um homem que conseguiu sair de uma cadeia onde ele tinha sido esquecido, para ser um dos homens mais ricos e poderosos de sua época, e cumprir a vingança mais engenhosa que já vi, até ir aprendendo aos poucos que isso não o faria feliz, que a felicidade está no perdão, no amor e na generosidade.

2. Já alguma vez ficaste apanhadinha(o) por um personagem de ficção?
(Você já ficou meio apaixonado(a) por um personagem de ficção ?)

Sem contar as paixonites pelo Michel da série de livros infantis Bibliothèque Verte, tive paixões avassaladoras pelo Athos e pelo d’Artagnan dos três Mosqueteiros, pelo Etienne Lantier de Germinal, pelo (ai ai ai) conde de Monte-Cristo...

3. Qual foi o último livro que compraste?

Dois livros do Ruy Castro: o melhor do Mau Humor e o Poder de Mau humor. Coletâneas de frases irônicas e ácidas de vários autores. Era viciada quando pré-adolescente, quando os vi numa livraria em Portugal avancei neles!

4. Que livros estás a ler?
Bem, estou lendo “Le Chevalier de Sainte-Hermine”, o livro inédito do Dumas que so foi editado esse ano, desde julho. Quem me conhece vai estranhar, já que sou a leitora mais rápida do oeste. Existem três razões para eu ainda não ter terminado:

1) Enquanto lia, saiu o novo Harry Potter; need I say more?
2) quando terminei o Harry Potter, tive que cuidar da vida: mudança, monografia, emprego... ;
3 e a mais forte de todas) “Le Chevalier...” é um livro inacabado e póstumo. Acho que não quero terminar de ler pois isso significaria que ele morreu mesmo... eu sei que ele está enterradinho la no Panthéon, mas enquanto eu não ler o final do “Chevalier”, ele não morreu. E pronto.

5. Que livros (5) levarias para uma ilha deserta?

a) As obras completas Alexandre Dumas. Am I starting to get repetitive?
b) As obras completas de Balzac
c) As obras completas de Zola
d) As obras completas deMaupassant
e) Todos os livros do Stephen King, pra ficar com medo de dormir na ilha sozinha;
f) Todas as crônicas do Verissimo
g) Todas as crônicas do João Ubaldo

h) Toda Mafalda em espanhol
i) Todos os Calvin and Hobbes em inglês
j) Um manual de sobrevivência, tee hee


Desse jeito, com o peso dos livros, acho que meu barco nem chega na ilha deserta...

6. A quem vais passar este testemunho (três pessoas) e por quê?

Al
queridón, que lê bem e escreve ainda melhor, e que, como eu, acha que um excelente motivo de querer morar junto com alguém é dobrar a coleção de livros e CDs sem pagar nada; à la frangine, que também é apaixonada por ler e por escrever, e que, apesar de não curtir Dumas =D, tem um gosto literário de respeito; e à Nina, porque eu quero saber!!!

Friday, October 14, 2005

Já não aguento mais a polêmica sobre o referendo do desarmamento. Na minha humilde opinião de expatriada que graças a Zeus, Odin e toda a patota, não tem que votar nisso, esse referendo é um curativo numa perna de pau, como tão bem dizem os froggies. Coisa mais inútil, desperdício de dinheiro público e de energia, que podiam estar sendo usados em algo melhor. Mas isso seria uma mudança tão radical na esfera política brasileira que se acontecesse, eu ia pra janela ver os Quatro Cavaleiros do Apocalipse chegando.

O que me incomoda mais é o fato do voto ser obrigatório. Isso não me chocava quando eu morava no Brasil. Afinal, faz tão pouco tempo que votamos! e se não fosse obrigatório, ninguém votava, e bla bla bla. Só que aí fui formando outra opinião: votar é direito, não é dever, e direito implica que posso optar. E os brasileiros não podem optar. Têm que ir dar seu pitaco mesmo que sejam profundamente contra a questão, como já vi tanta gente boa dizendo. E agora entendo porque ser obrigado a votar tem muito mais cara de falta de liberdade do que de direito do cidadão.

Aqui na França votar é um direito. Quem não quiser votar não vota e daí, pela abstenção, o governo pode medir o nível de descontentamento das pessoas. Já no Brasil, ninguém nem pode mostrar seu descontentamento não votando. Tem sempre que votar no "menos pior".

Que assunto mais detestável.

Friday, October 07, 2005

Quer me ver chorar?

Basta colocar essa musica. Ja nos primeiros acordes de violão, minha garganta aperta. Desde adolescente é assim, porque é ai que a vida vira um bicho papão, ou so por saudades mesmo, do primeiro e maior homem da minha vida... que esta a um oceano e um embargo de mim, e pra quem eu ainda estou a três palmos do chão.

Valsa Para Uma Menininha

Toquinho - Vinicius de Moraes
Composição: Indisponível
Menininha do meu coração

Eu só quero você a três palmos do chão
Menininha não cresça mais não,
Fique pequenininha na minha canção.
Senhorinha levada, batendo palminha,
Fingindo assustada do bicho-papão.
Menininha, que graça é você,
Uma coisinha assim, começando a viver.
Fique assim, meu amor, sem crescer,
Porque o mundo é ruim, é ruim, e você
Vai sofrer de repente uma desilusão
Porque a vida somente é seu bicho-papão.
Fique assim, fique assim, sempre assim
E se lembre de mim pelas coisas que eu dei.
E também não se esqueça de mim
Quando você souber, enfim,
De tudo que eu amei.

Thursday, October 06, 2005

Bamos!!!


Yo lo respetaré! para festejarlo, quiero beber mucha Cueca-Cuela y tomar sorviete de moriango en este dia tan bonito...

Wednesday, September 28, 2005

Gosto se discute, sim. Mas cada um tem o seu.

Por causa de um debate ferrenho com um cliente que não sabe falar sem emitir perdigotos, crio coragem pra sair do armário: Victor Hugo não merece a fama de maior escritor de língua francesa que já existiu.

Em tempo: a poesia eu acho bonita, apesar de não chegar aos pés de um Chateaubriand com azia ou de um Rimbaud com enxaqueca pós-absinto. Como romancista, ele é um tanto quanto moralista e chato.

Depois de ler Os Miseráveis, pensei que o homem quis fazer um ensaio filosófico à la Voltaire em Candide ou L'Ingénu: uma história ilustrando preceitos filosóficos. Muito justo, mas Voltaire mostrou que é possível fazer isso numa história de umas poucas dezenas de páginas, e ele escolheu o humor. ... Já Hugo tentou fazer a filosofia humana de uma sentada, o que torna Os Miseráveis, se você for lê-lo como tratado filosófico, dificílimo de assimilar. Se, como eu, quiser ler pelo prazer de um bom livro, prepare-se para centenas de páginas de dissertações sobre o Estado, a Criança, a Polícia, que, desculpem os fãs, não são nada atemporais e são escritas naquele estilo clássico que tem o ritmo de um cágado maconheiro.

Já as partes com Jean Valjean, Cosette, Marius, Gavroche, Javert e toda a patota valem a pena pela beleza da história e pela dinâmica da escrita. Mas haja paciência para aguentar os interlúdios em que o senador acorda e enxota o escritor! Pra resumir: um livro esquizofrênico. Eu li (2 vezes!), mas apliquei ao pé da letra um dos mandamentos do leitor enunciados por Daniel Pennac: todo leitor tem o direito de pular páginas!

O maior escritor de língua francesa... Victor Hugo é venerado como um deus aqui na França. Qualquer vilarejo do interior da Auvergne tem sua rue/place Victor Hugo. Mas admiro muito mais a obra literária de Balzac, de Zola, de Maupassant e do Alexandre Dumas, que até hoje considero um injustiçado da literatura.

E tenho dito.

Wednesday, September 21, 2005

Da série "Porto" - 1


Eu e minhas metáforas e comparações... mas só me vem isso: amor à primeira vista. Também, o Dr. Celinho resolveu começar pelo mais espetacular...
A primeira visão da Ribeira à noite, com a lua refletida no Douro, me deixou sem palavras. De olhos e ouvidos arregalados, querendo ver tudo ao mesmo tempo, não perder nada: o reflexo da lua no rio, as luzes do outro lado, as crianças correndo pelo calçadão, a ponte de ferro, majestosa e cinzenta, contrastando com a alegria das casinhas iluminadas e com a suavidade do cetim preto do rio...
E de dia, o encanto foi ainda maior. Quem quer que seja que controla o painel meteorológico do mundo teve pena de mim e me gratificou com cinco dias de sol e temperatura amena. As casinhas ficaram coloridas, o céu azul-azulejo, o lençol do Douro ficou azul-escuro, as crianças e senhoras falavam ainda mais alto, e a ponte ficou ainda mais severa e majestosa. Parecia uma festa.

Tuesday, September 20, 2005

Na verdade, não era isso que eu queria postar hoje

Lendo um antigo post da magavilhosa Cynthia, me dei conta de uma coisa: acho que meu ideal de carreira é ser tradutora da Mad.

Thursday, September 08, 2005

Pequenos Prazeres

Ouvir Cazuza no trabalho, volume máximo nos headphones, mantendo a poker face na Bete Balanço, é o maior tesão. Recomendo.

Tuesday, September 06, 2005

Tão seu

Tão Seu - Skank

Sinto sua falta
Não Posso esperar tanto tempo assim
O nosso amor é novo
É o velho amor ainda e sempre
Não diga que não vem me ver
De noite eu quero descansar
Ir ao cinema com você
Um filme a toa no Pathé
Que culpa a gente tem de ser feliz
Que culpa a gente tem meu bem
O mundo bem diante do nariz
Feliz agora e não além
Me sinto só
Me sinto só
Me sinto tão seu
Me sinto tão
Me sinto só e sou teu

Eu faço tanta coisa
Pensando no momento de te ver
A minha casa sem você é triste
A espera arde sem me aquecer
Não diga que você não volta
Eu não vou conseguir dormir
A noite eu quero descansar
Sair a toa por aí
Me sinto só
Me sinto só
Me sinto tão seu
Me sinto tão
Me sinto só e sou teu

Eu sinto sua falta
Não posso esperar tanto tempo assim
O nosso amor é novo
É o velho amor ainda e sempre
Que culpa a gente tem de ser feliz
Eu digo eles ou nos dois
O mundo bem diante do nariz
Feliz agora e não depois
Me sinto só
Me sinto só
Me sinto tão seu
Me sinto tão
Me sinto só e sou teu

Monday, September 05, 2005

As fotos de New Orleans me fazem lembrar do Haiti da guerra civil. Assustador ver tanta destruição, desespero e desorganização na soi-disant maior potência do mundo. Dubya, mais uma vez, parece que acordou tarde e so ficou sabendo da catastrofe depois do almoço... o que Dubya deve pensar da Louisiana, estado pobre, de maioria negra, e cheio de descendentes de franceses? Foi mal, mas isso é de revoltar qualquer um.

Friday, September 02, 2005

Da série "Ser tradutor é bom porque... parte I"

- poucas outras profissões trazem a possibilidade de escrever "exame Doppler do pênis". Só eu acho essa frase surreal?
- você pode brilhar em sociedade. Quem não quer ouvir mil detalhes sobre disfunções eréteis, sobre a manutenção da turbina a combustível líquido e gasoso, ou ainda sobre a interpretação de resultados de uma mamografia digital? Bom, talvez só as disfunções eréteis.

Tuesday, August 23, 2005

Post-desabafo


Coisas que me irritam :

- Anglicismos idiotas : « ao atingir o solo, a máquina irá parar » ; o horror, o horror;
- Gerundismo desenfreado : « Queira aguardar. Nosso engenheiro de campo vai estar enviando o software nos próximos dias ». Essa é uma das piores. Eu vou estar odiando o paspalho que escreveu isso e espero que ele vai estar encontrando um pombo com disenteria empoleirado em cima da cabeça dele nas próximas horas;

- Pessoas que simplesmente decidiram que acentos, cedilhas, pontuação e letras maiúsculas são coisa supérflua.

Friday, August 19, 2005

Fotografia

Fotografia
Juanes - Duo com Nelly Furtado

Cada vez que yo me voy llevo a un lado de mi piel
Tus fotografías para verlas cada vez
Que tu ausencia me devora entero el corazón
Y yo no tengo remedio más que amarte
Y en la distancia te puedo ver
Cuando tus fotos me siento a ver
Y en las estrellas tus ojos ver
Cuando tus fotos me siento a ver
Cada vez que te busco te vas
Y cada vez que te llamo no estás
Es por eso que debo decir que tú sólo en mis fotos estás
Cuando hay un abismo desnudo
Que se opone entre los dos
Yo me valgo del recuerdo
Taciturno de tu voz
Y de nuevo siento enfermo este corazón
Que no le queda remedio más que amarte
Cada vez que te busco te vas
Y cada vez que te llamo no estás
Es por eso que debo decir que tú sólo en mis fotos estás

Wednesday, August 17, 2005

Sem Titulo

É claro que qualquer texto, foto, artigo, letra de música, link ou referência que eu postar aqui não chegou aqui por acaso. Afinal, se trata de escolha... porque hoje ao invés de tal letra do Djavan eu postei uma tira do Henfil? Porque resolvi falar de um filme ao invés de falar de amor, de paixão, de ódio, dessas coisas que fazem o mundo girar e as editoras lucrarem ? Porque postar em inglês, francês ou português? nada acontece por acaso, tudo é subconsciente, ou em alguns casos, consciente mesmo. 2 anos de psicologia deixam seqüelas.

Essa embromação toda só significa uma coisa: apesar de não usar esse espaço pra falar da minha vida, toda escolha que eu fizer, bem ou mal, significa algo.


Apesar de exercer uma profissão que depende da palavra escrita, não crio, não sou escritora, redatora ou jornalista. Tento transmitir as idéias dos outros da maneira mais fiel e respeitosa possível. Como dizia um professor meu: "o melhor tradutor é o que não se vê". E minha motivação: “Ecrire, c'est une façon de parler sans être interrompu (Jules Renard)”. (Escrever, é uma maneira de falar sem ser interrompido).

Tuesday, August 16, 2005

Caderno novo

Trem de subúrbio, 8h15 da manhã:

- Olá, gata, meu nome é Manuel e sou assistente em comunicação, e você?
- Eu não.

Não é pra aplaudir?