Wednesday, October 26, 2005

Do jeito que ele trabalha, é capaz de nunca ficar sabendo que eu pus aqui. Um mail que meu pai mandou, varios meses atras, às duas filhas, e uma mensagem de amor das mais bonitas que ja vi. A mana ja tinha postado, agora é minha vez. Porque é bonito demais. Ele sabe escrever, eu não, por isso prefiro que ele poste por mim.

Mas ainda digo que isso não é coisa que se faça com uma canceriana...

O que está faltando

De repente, sei lá porque, fiquei com a pulga atrás da orelha.Danei a prestar atenção na casa e vi que quartos, camas e guarda-roupas, abat-jours (é assim?) e outros chiliques mobiliários estão providenciados com bom gosto e carinho por Maria Regina para abrigar as filhas, ela e eu da melhor maneira possível. Lá fora tem churrasqueira a bafo (imported from Brazil, please!) - para gáudio (gosto dessa burguesa palavra...) - de meninas que não dispensam uma ostrinha, caranguejo, verduras (e a abobrinha e tomateassado com parmesão e azeite, heim, heim?) e perna de carneiro na brasa, um jardim gostoso de se ver com muitas flores bonitas, maracujá, limoeiro e um caramanchão cheio de flores violetas e vermelhas.

Muito pássaro no quintal e barulho das ondas do mar quase pertim... Nos quartos as estantes têm bons livros, aqueles que marcaram o crescimento das filhas ou nosso por aquilo que chamam vida afora e muitos outros que estamos guardando para surpreender certas devoradoras de títulos. Lidos ou não estão sempre prontos para uma conferida em cima da hora e servir de testemunho ou base para outro dia, outros julgamentos, outras idéias.

Tem disco dos Saltimbancos, Secos e Molhados, Queen, Chico Buarque, Beatles, Rolling Stones, Domenico Modugno, Lucio Dalla, Claude François, George Brassens, Zucchero, Geraldo Vandré, Milton Nascimento e Inezita Barroso. Os álbuns de fotografias, apesar da ciclônica e devastadora passagem da possessividade adolescente de certas umas que conheço ainda guardam recordações de outros tempos e continentes, apesar das principais peças estarem repartidas – e espero não perdidas - entre Brasília e Paris. Fica o registro e a responsabilidade da guarda.

Tem fotografias e lembranças de sobrinhos, sobrinha (- Eu num sô a bûcha não!!!!) , irmãos, cunhadas e amigos que ocupam paredes - recordações de excelentes períodos. Movimento estudantil, acampamento, truco,chácara, Água Mineral, UnB, Goiás Velho, Itaberaí, Candangolândia, os temas e o tempo passam alí, ó, quando vou subindo e descendo a escada. Ou a vida. Tem filme e fotografia de muito tempo, dos avós, pais, tios, filhas, sobrinha, sobrinhos, amigos, do Goiás, do Ceará e do mundo.Tem tudo, só falta o principal.

Bjs.

Sua páia.

Friday, October 21, 2005

These magical moments

Cenário : escritório, de manhã. Figurantes : colegas de trabalho

Carol : nossa, que dor de garganta chata, não passa...
Roommate naturopata : ainda não passou ?
Carol : não, está com jeito de que vai virar gripe.
Roommate naturopata : só tem uma solução pra isso...
Carol (blasée) : sei, gargarejo de vinagre com sal, chazinho de limão, própolis...
Roommate naturopata : não. Dois dias de jejum e um purgante.
Carol : (...)
Roommate naturopata : E...
Carol (interrompe) : É ruim, hein ?????

Tuesday, October 18, 2005

Roubei do blog da Cyn, e como sou viciada em ler, resolvi copiar.

1.Não podendo sair do Fahrenheit 451, que livro quererias ser?
(Sem sair do formato papel, que livro você gostaria de ser ?)

Queria ser o Conde de Monte-Cristo, sem sombra de dúvida! Uma história de um homem que conseguiu sair de uma cadeia onde ele tinha sido esquecido, para ser um dos homens mais ricos e poderosos de sua época, e cumprir a vingança mais engenhosa que já vi, até ir aprendendo aos poucos que isso não o faria feliz, que a felicidade está no perdão, no amor e na generosidade.

2. Já alguma vez ficaste apanhadinha(o) por um personagem de ficção?
(Você já ficou meio apaixonado(a) por um personagem de ficção ?)

Sem contar as paixonites pelo Michel da série de livros infantis Bibliothèque Verte, tive paixões avassaladoras pelo Athos e pelo d’Artagnan dos três Mosqueteiros, pelo Etienne Lantier de Germinal, pelo (ai ai ai) conde de Monte-Cristo...

3. Qual foi o último livro que compraste?

Dois livros do Ruy Castro: o melhor do Mau Humor e o Poder de Mau humor. Coletâneas de frases irônicas e ácidas de vários autores. Era viciada quando pré-adolescente, quando os vi numa livraria em Portugal avancei neles!

4. Que livros estás a ler?
Bem, estou lendo “Le Chevalier de Sainte-Hermine”, o livro inédito do Dumas que so foi editado esse ano, desde julho. Quem me conhece vai estranhar, já que sou a leitora mais rápida do oeste. Existem três razões para eu ainda não ter terminado:

1) Enquanto lia, saiu o novo Harry Potter; need I say more?
2) quando terminei o Harry Potter, tive que cuidar da vida: mudança, monografia, emprego... ;
3 e a mais forte de todas) “Le Chevalier...” é um livro inacabado e póstumo. Acho que não quero terminar de ler pois isso significaria que ele morreu mesmo... eu sei que ele está enterradinho la no Panthéon, mas enquanto eu não ler o final do “Chevalier”, ele não morreu. E pronto.

5. Que livros (5) levarias para uma ilha deserta?

a) As obras completas Alexandre Dumas. Am I starting to get repetitive?
b) As obras completas de Balzac
c) As obras completas de Zola
d) As obras completas deMaupassant
e) Todos os livros do Stephen King, pra ficar com medo de dormir na ilha sozinha;
f) Todas as crônicas do Verissimo
g) Todas as crônicas do João Ubaldo

h) Toda Mafalda em espanhol
i) Todos os Calvin and Hobbes em inglês
j) Um manual de sobrevivência, tee hee


Desse jeito, com o peso dos livros, acho que meu barco nem chega na ilha deserta...

6. A quem vais passar este testemunho (três pessoas) e por quê?

Al
queridón, que lê bem e escreve ainda melhor, e que, como eu, acha que um excelente motivo de querer morar junto com alguém é dobrar a coleção de livros e CDs sem pagar nada; à la frangine, que também é apaixonada por ler e por escrever, e que, apesar de não curtir Dumas =D, tem um gosto literário de respeito; e à Nina, porque eu quero saber!!!

Friday, October 14, 2005

Já não aguento mais a polêmica sobre o referendo do desarmamento. Na minha humilde opinião de expatriada que graças a Zeus, Odin e toda a patota, não tem que votar nisso, esse referendo é um curativo numa perna de pau, como tão bem dizem os froggies. Coisa mais inútil, desperdício de dinheiro público e de energia, que podiam estar sendo usados em algo melhor. Mas isso seria uma mudança tão radical na esfera política brasileira que se acontecesse, eu ia pra janela ver os Quatro Cavaleiros do Apocalipse chegando.

O que me incomoda mais é o fato do voto ser obrigatório. Isso não me chocava quando eu morava no Brasil. Afinal, faz tão pouco tempo que votamos! e se não fosse obrigatório, ninguém votava, e bla bla bla. Só que aí fui formando outra opinião: votar é direito, não é dever, e direito implica que posso optar. E os brasileiros não podem optar. Têm que ir dar seu pitaco mesmo que sejam profundamente contra a questão, como já vi tanta gente boa dizendo. E agora entendo porque ser obrigado a votar tem muito mais cara de falta de liberdade do que de direito do cidadão.

Aqui na França votar é um direito. Quem não quiser votar não vota e daí, pela abstenção, o governo pode medir o nível de descontentamento das pessoas. Já no Brasil, ninguém nem pode mostrar seu descontentamento não votando. Tem sempre que votar no "menos pior".

Que assunto mais detestável.

Friday, October 07, 2005

Quer me ver chorar?

Basta colocar essa musica. Ja nos primeiros acordes de violão, minha garganta aperta. Desde adolescente é assim, porque é ai que a vida vira um bicho papão, ou so por saudades mesmo, do primeiro e maior homem da minha vida... que esta a um oceano e um embargo de mim, e pra quem eu ainda estou a três palmos do chão.

Valsa Para Uma Menininha

Toquinho - Vinicius de Moraes
Composição: Indisponível
Menininha do meu coração

Eu só quero você a três palmos do chão
Menininha não cresça mais não,
Fique pequenininha na minha canção.
Senhorinha levada, batendo palminha,
Fingindo assustada do bicho-papão.
Menininha, que graça é você,
Uma coisinha assim, começando a viver.
Fique assim, meu amor, sem crescer,
Porque o mundo é ruim, é ruim, e você
Vai sofrer de repente uma desilusão
Porque a vida somente é seu bicho-papão.
Fique assim, fique assim, sempre assim
E se lembre de mim pelas coisas que eu dei.
E também não se esqueça de mim
Quando você souber, enfim,
De tudo que eu amei.

Thursday, October 06, 2005

Bamos!!!


Yo lo respetaré! para festejarlo, quiero beber mucha Cueca-Cuela y tomar sorviete de moriango en este dia tan bonito...